quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Atestado de incapacidade permanente


Não sei não ser metódica. É algo que me transcende.
Como a poesia.
Não sei deixar-me ir ao sabor do futuro.
O futuro ideal para mim deveria pré-existir no passado, como garantia do presente no futuro.
A deriva é para mim tão sedutora e inalcançável como o abraço das nuvens.

Queria, às vezes, ser fragmentária.
Não o sou.
Vivo, por isso mesmo, de fragmentos da realidade em que vou tropeçando.
E com os quais, quase obsessivamente, vou tentando (re)construir o meu céu.
Não consigo ser diferente.
E não sei se quero.

Só sei que em mim habita o albatroz de Baudelaire.

E que há dias em que isso me faz feliz.

Susana Soares
23.09.2009

2 comentários:

Cristina Tomé disse...

E é como o albatroz de Baudelaire que tocas as nuvens, mas sem perder a magestade e a elegância porque não te deixas aprisionar pelos marinheiros desgovernados que sulcam a vida. A individualidade e a liberdade tantas vezes conservada à força mantém-te no ar, evitanto a terra que sufoca a alma e impede a natural vivência.

Gostei muito, como sempre aliás!
Beijos

Gita* disse...

Vamos mergulhar no silêncio,
na palavra mais esquecida
para que os lábios inventem
o sabor de a revelar!...

Sem mais palavras...adorei!
Beijinho grande